A RECOMPENSA NOS CAMPOS BRANCOS

Nenhuma atividade é comparável em privilégio, como a exercida pelo missionário em prol da Grande Comissão. A promessa divina contempla de forma especial a atividade nos Campos Brancos, espalhados entre os mais de 193 países membros da ONU nos cinco continentes da terra. Tal promessa alcança tanto o semeado quanto o ceifeiro.

O semeador – o pioneiro – É uma função que exige capacidade de encarar desafios, lutar contra as intempéries e as condições adversas do solo, clima etc. Começa do nada, mas vislumbra uma grande colheita, mesmo antes de começar o preparo da terra.

Os pioneiros chegaram ao Brasil vindo de uma terra longínqua e fria, com uma língua complexa, para começar no Brasil algo inimaginável, plantar o evangelho completo (pentecostal), na área mais inóspita, a Região Norte. O final da história nós conhecemos, mas eles não conheciam.

O Semeador não conta ainda com o alimento produzido pela terra, então passa necessidade, os instrumentos no preparo do campo são bastante rudimentares muitas vezes, o desânimo tenta fazê-lo desistir, lágrimas lhe vem a face, às vezes sepulta filho e esposa, num campo que parece improdutivo, mas seu foco é a semeadura. William Carey é um destes exemplo na Índia – sete anos de atividade em Bengala nenhum convertido indiano era conhecido. (Hoje a Índia é um dos grandes enviadores de missionários. (Nos últimos 10 anos, 30 mil novas igrejas foram plantadas entre os Bhojpuri, povo da Índia), fonte: www.joshuaprofect.org.

O salmista escreve: “Aquele que leva a preciosa semente, andando e chorando, voltará, sem dúvida, com alegria, trazendo consigo os molhos” (Sl 126:3). Robert Morrison, após 25 anos na China, viu menos de 12 convertidos. Na ocasião de sua morte havia apenas três cristãos conhecidos em todo império chinês – traduziu a Bíblia para o chinês, (hoje calcula-se em aproximadamente 130 milhões de cristãos), fonte: www.ywamnsi.org. David Livingstone – África, antigo cemitério de homens brancos. (Em 2008 mais de 50% da população são cristãos) fonte: www.worldchristiandatabase.org.

O ceifeiro – precisa correr contra o tempo para evitar que os frutos se percam. Os campos já estão brancos, já estão brancos para ceifa.

Hudson Taylor, exemplo de ceifeiro; fundador de Missões para o Interior da China (MIC), maior missão estrangeira organizada no mundo. Em 1895 eles possuíam mais de 640 missionários investidos na China. Em 1934 contava com 1.368. (Hoje os cristãos chineses têm o objetivo de enviar 100.000 missionários transculturais, para o mundo. Fonte www.cbn.com/blogs/cwn/011207chinasaspx. Absolutamente maravilhoso!

O Apóstolo João, registra uma afirmativa maravilhosa a respeito deste assunto: (Jo 4: 36, 37). “Porque nisso é verdadeiro o ditado: Um é o que semeia, e outro, o que ceifa. ”

O Brasil é um exemplo de como compensa servir ao Senhor. Passados mais de 100 anos a Assembleia de Deus, figura como a maior denominação evangélica do hemisfério sul; somos dizem algumas pesquisas mais de 12 milhões. Imagino se houver um esforço missionário eficiente, quantos milhões serão conquistados para Jesus Cristo.

Existe alguma atividade na terra que se compare ao exercício Missionário?

PR. ANISIO DO NASCIMENTO
Diretor-Executivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *